Notícias

Por Larissa Nunes Pietoso

20 de abril de 2021

Azul Tiffany e a questão da proteção de cores como ativos intangíveis

No "Dia da Mentira", primeiro de abril, a famosa joalheria Tiffany & Co., conhecida pelo tom "azul Tiffany", pregou uma peça em seus consumidores e chocou o mercado, apresentando sua nova cor, um tom amarelo vibrante.
 
Usado pela primeira vez em 1845, o "azul Tiffany" se tornou uma característica da empresa, o que fez com que no Brasil a cor tenha se tornado, popularmente, uma de suas "marcas registradas", sendo atualmente empregada não somente na desejada caixinha, apelidada de "Tiffany's blue box", mas em produtos como joias, perfumes e óculos de sol. A cor também foi usada  nos exclusivos cafés da joalheria, espalhados ao redor do mundo, como é o caso do The Tiffany blue box cafe, localizado no interior da renomada loja de departamentos Harrods, em Londres.
 
Para ler o artigo na íntegra, acesse o site.
Voltar

Últimas notícias por Larissa Nunes Pietoso

15 de agosto de 2022

O preço do luxo: breves reflexões acerca do leilão de marcas

Em artigo publicado no Meio & Mensagem, nossa advogada Larissa Pietoso estimulou reflexões a respeito do “preço do luxo” sob a perspectiva do O preço do luxo: breves reflexões acerca do leilão de marcas

Ler notícia

5 de abril de 2022

Os desafios da proteção marcária no ambiente virtual

O tema Metaverso tem se tornado cada vez mais frequente. Embora o assunto ainda seja nebuloso para grande parte da sociedade, as Os desafios da proteção marcária no ambiente virtual

Ler notícia

20 de abril de 2021

Azul Tiffany e a questão da proteção de cores como ativos intangíveis

Carolina Caetano e Larissa Pietoso abordam, em artigo publicado no Migalhas, a relação entre marcas e cores, além dos mecanismos de proteção, no cenário jurídico brasileiro.

Ler notícia