Notícias

Artigos

2 de janeiro de 2019

A rotina de uma profissional de Marketing & Entertainment Law

Sempre tive enorme interesse em entender como as relações sociais se formavam – que mecanismo era esse que entrelaçava a todos nós e regrava nossas vidas, onde quer que estivéssemos? Segui a minha intuição e ingressei no curso de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Tive professores brilhantes, que me abriram um mundo de pensamentos e ideias. Mas foi realmente com a vivência prática, de estágio, que entendi o porquê daquilo tudo.
No meu primeiro estágio, em um escritório especializado em contencioso cível, tive a chance de aprender um pouco mais sobre a dinâmica do processo civil, o mecanismo de concretização desses direitos ainda tão abstratos na minha cabeça. Foi quando me deparei com uma notícia que repercutia o impacto da pirataria de CDs na indústria da música. A matéria não tratava de qualquer questão jurídica, mas apontava os desafios da indústria do entretenimento que, com o avanço da internet, via seu modelo de negócio desabar. Bingo! Era isso que eu queria fazer.
 
Para conferir na íntegra o artigo escrito por nossa sócia Fernanda Magalhães, sobre a rotina de uma advogada de Direito do Marketing & Entretenimento, acesse o site do JOTA.
Voltar

Últimas notícias relacionadas

9 de novembro de 2022

Brazil: Patent Litigation 2023 – IAM Media

Nosso sócio Claudio Barbosa e nossa advogada Viviane Trojan são os autores do artigo “Brazil: Patent Litigation”, publicado no Global Patent Litigation 2023, pelo IAM. Brazil: Patent Litigation 2023 – IAM Media

Ler notícia

31 de outubro de 2022

A regulação dos influencers na Ibero-América

Nossa sócia Fernanda Magalhães participou do artigo “Influenciadores y su regulación en Iberoamérica”, produzido e publicado pelo Comitê de Direito do Entretenimento A regulação dos influencers na Ibero-América

Ler notícia

15 de agosto de 2022

CPI da Pirataria combate comercialização de produtos ilegais

O comércio de produtos ilegais (piratas e contrabandeados) é uma das principais fontes de arrecadação do crime organizado no país. Além de CPI da Pirataria combate comercialização de produtos ilegais

Ler notícia