Notícias

Newsletter

Biodiversidade: Brasil deposita instrumento de ratificação na ONU e Protocolo de Nagoya entrará em vigor no país em breve

Conforme nota conjunta divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores e Ministério do Meio Ambiente, o Brasil depositou no dia 4 de março de 2021 o instrumento de ratificação do Protocolo de Nagoya sobre acesso a Recursos Genéticos e Repartição Justa e Equitativa dos Benefícios Derivados de sua Utilização à Convenção Sobre Diversidade Biológica. Com o depósito do instrumento na ONU, faltam apenas a promulgação e publicação, por meio de decreto do chefe do Executivo, do protocolo no Diário Oficial da União para que o Protocolo de Nagoya possa entrar em vigência no território brasileiro.
O que é o Protocolo de Nagoya?
O Protocolo de Nagoya é um tratado internacional que visa a regulamentar o acesso e repartição justa e equitativa dos benefícios oriundos do uso da biodiversidade e do conhecimento tradicional associado. Tal protocolo visa a complementar as obrigações contidas na Convenção da Diversidade Biológica, da qual o Brasil já era membro.
O Protocolo de Nagoya foi criado em 2010 durante a COP – 10 (10ª Conferência das Partes membros da Convenção da Diversidade Biológica) e visa a incentivar a conservação da biodiversidade e dos saberes tradicionais mediante a justa remuneração pelo uso destes ativos na pesquisa, desenvolvimento e inovação. Para tanto, estabelece as diretrizes para as relações comerciais entre o país provedor de recursos genéticos e/ou conhecimento tradicional associado e aquele que vai utilizá-los, tudo visando a evitar o que popularmente se chama de biopirataria – isto é, o uso de recursos naturais e/ou conhecimentos tradicionais sem autorização ou repartição dos lucros.
Em passado recente, por exemplo, alguns ativos da biodiversidade brasileira, como o açaí e o cupuaçu, foram registrados como marcas em outros países, dificultando a sua exploração por titulares brasileiros.
A fim de garantir a justa repartição dos benefícios, o Protocolo de Nagoya prevê um mecanismo multilateral global de repartição de benefícios, na qual Estados provedores de recursos genéticos e conhecimento tradicional associado podem cobrar royalties dos Estados que os utilizam. Também fica estabelecido que os recursos auferidos devem ser empregados para a conservação e a utilização sustentável da diversidade biológica e das comunidades tradicionais envolvidas.
Assim, os países-membros do Protocolo de Nagoya devem estabelecer mecanismo locais para colocar em prática este mecanismo, além de cumprir diversas outras obrigações relacionadas à transparência na repartição de benefícios.
Com a entrada do país no Protocolo de Nagoya, o Brasil ainda poderá participar da próxima COP e influenciar nas decisões sobre repartição de benefícios no futuro.
Como o Brasil será afetado pelo Protocolo de Nagoya?
O Brasil já tem uma legislação tratando do acesso e repartição justa e equitativa dos benefícios oriundos do uso da biodiversidade brasileira e do conhecimento tradicional associado, que é a Lei da Biodiversidade (Lei nº 13.123/2015). A referida Lei prevê que o acesso a recursos genéticos está sujeito à realização de um cadastro, sendo exigida a autorização para casos específicos. Já o acesso ao conhecimento tradicional associado está sujeito ao consentimento prévio informado.
Com a adesão ao Protocolo de Nagoya, o Brasil também deverá adequar sua legislação para operacionalizar a repartição dos benefícios oriundos do uso da biodiversidade e do conhecimento tradicional associado de outros países.
Caso você tenha qualquer dúvida sobre este conteúdo, nosso time está à disposição em mail@kasznarleonardos.com.
 
Voltar

Últimas notícias relacionadas

22 de novembro de 2021

Kasznar Leonardos recebe selo internacional de qualidade ISO 9001

Certificação reconhece nossa eficiência operacional, com foco na excelência no atendimento ao cliente e na melhoria contínua dos nossos processos de trabalho Kasznar Leonardos recebe selo internacional de qualidade ISO 9001

  • Kasznar Leonardos
  • Ler notícia

    12 de novembro de 2021

    INPI reconhece o Direito de Precedência como argumento para interposição de Nulidades Administrativas

    Por Flávia Tremura e Isabella Faccioli A partir deste mês de novembro o INPI passa a aceitar o direito de precedência de INPI reconhece o Direito de Precedência como argumento para interposição de Nulidades Administrativas

  • Kasznar Leonardos
  • Ler notícia

    10 de setembro de 2021

    STF reafirma a incidência do ISS sobre os contratos de franquia

    O Supremo Tribunal Federal, em sessão de julgamento ocorrida em 27.08.2021, rejeitou, de forma unânime, a modulação de efeitos da decisão que STF reafirma a incidência do ISS sobre os contratos de franquia

    Ler notícia