Notícias

Artigos

1 de junho de 2013

Revista da ABPI – Nome civil vs. marca: do caráter precário das autorizações de registro de nome civil como marca

Introdução

Uma das categorias de direitos fundamentais protegidos na Constituição Federal é aquela referente aos direitos de personalidade, os quais abarcam, entre outros, aspectos inerentes ao espírito e à personalidade humana. A esse respeito, o artigo 5º, inciso X da Constituição Federal é claro ao garantir proteção a essa categoria de direito, ao prever que são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, ainda assegurando aos seus titulares o direito de obter indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.

Entre os direitos da personalidade, encontra-se o direito ao nome civil das pessoas naturais, que tem como uma de suas principais funções a individualização da pessoa natural. De tão fundamental para a preservação da individualidade humana, o nome civil foi um dos primeiros direitos retirados dos judeus encarcerados nos campos de concentração nazistas pelas políticas de “arianização”, as quais cuidaram para que os prisioneiros judeus passassem a ser identificados por números tatuados em seus braços ao invés de seus nomes civis, “como se fossem gado e não pessoas”.

Voltar

Últimas notícias relacionadas

5 de abril de 2022

Os desafios da proteção marcária no ambiente virtual

O tema Metaverso tem se tornado cada vez mais frequente. Embora o assunto ainda seja nebuloso para grande parte da sociedade, as Os desafios da proteção marcária no ambiente virtual

Ler notícia

22 de novembro de 2021

O touro indomável da Bolsa e os direitos autorais

Sim, o título deste pequeno texto é inspirado no nome em português da magistral obra audiovisual dirigida por Martin Scorsese, exibida nos O touro indomável da Bolsa e os direitos autorais

Ler notícia

16 de setembro de 2021

Contagem do prazo prescricional: violação de direitos autorais na internet

Nosso sócio Rafael Lacaz e nossos colegas de Antipirataria & Compliance Ana Clara Farias e Victor Lima explicaram como corre  o prazo prescricional de violações de direitos autorais praticadas na internet, em artigo publicado no Migalhas.

Ler notícia